VLADILENA DEMINOVA


Nome Completo: Vladilena Lukyanovna Deminova
Apelido: Lena, Lenka
Nascimento: 27 de Janeiro de 1924
Altura: 1,57m
Signo: Aquário
Local de nascimento: São Petersburgo, Rússia
Raça: Humana
Sexo: Feminino

Personalidade: Vladilena cresceu como a princesinha da casa, sendo mimada por pai, mãe, empregados e até o irmão mais velho. É a caçula da família e única filha menina, acostumada a receber milhares de presentes, mimos e elogios diariamente. Sempre se maravilhou com história de princesas e fábulas românticas, e passou a infância e a pré-adolescência acreditando que encontraria seu príncipe encantado e teria um ‘felizes para sempre’.

No entanto, nunca se deu totalmente à imagem de filha de família rica, prezando acima de tudo a própria liberdade num ambiente que, apesar de oferecer-lhe todo o conforto que ela sempre amou, também por tempos a sufocava. Gosta de correr livre, saber que pode fazer o que bem entender e criar independência para lidar com as conseqüências.

O primeiro relacionamento que teve fora com Damaran, por quem Vladilena foi profundamente apaixonada. No entanto, após ele perder o olho, Vladilena sentia seu comportamento mudar tanto por sua irritabilidade quanto pelo fato de que ela logo sentiu que Damaran estava escondendo cada vez mais coisas dela. Após um final de relacionamento conflituoso, Vladilena perdeu a crença de que poderia existir qualquer amor que fosse perfeito, e preferiu ocupar-se em manter diversas relações de forma que sempre tivesse alguém a quem pudesse recorrer... por mais que nutrisse um sentimento mais forte por um deles.

Com o tempo, Vladilena aprendeu a manter segredos, a tramar e até a brincar com as pessoas de uma forma pouco aceitável, – sempre fora uma ótima atriz graças ao balé e a sua naturalidade espontânea. Costuma manter o bom humor e brincar bastante, mostrando-se cativante e sincera, mas sempre se mantém atenta a uma oportunidade que lhe pareça interessante, e prometeu a si mesma que não seria mais feita de boba.



***


VLADILENA, 3 ANOS



       Folheava o livro de contos pela quinta, sexta, sétima vez. Nunca se cansava de olhar as figuras, ver belas princesas vestidas em seda e jóias, que sempre encontravam seu amor no final das histórias e viviam felizes, apaixonadas e belas, para sempre. Não existiam cavaleiros nem dragões, bruxas nem monstros, mas amor e casais apaixonados, sim. Disso ela tinha certeza, e sabia que um dia encontraria aquele homem a quem amaria demais, com quem iria querer viver para sempre, e que a chamasse de a mais bela das mulheres.

       Era uma coisinha graciosa, sempre ouviu dizerem-lhe. Tinha cabelos dourados que desciam pelos seus ombros em caracóis, e grandes olhos que não eram nem azuis, nem verdes; mas sim algo entre ambos. Sua pele era rosada e macia, e todos elogiavam seu sorriso doce, sincero, amável. Seu sorriso sincero. Sabia que gostariam mais dela se ela sorrisse, sempre, quando cumprimentava e quando despedia-se de todos, quando entrava na escolhinha, quando entrava na academia que desde a mais tenra idade já freqüentava. Era educada, comportava-se como a garotinha perfeita, e tinha a aparência de uma boneca. Tinha de mostrar perfeição; era o mínimo que poderia ser esperado dela, vinda de uma das famílias mais poderosas dentre o governo soviético. Aos três anos, ela não sabia muito bem o porquê de tudo aquilo... mas nunca sequer ousou pensar em contrariar os pais. Nunca iria envergonhar a família, os pais, os dois irmãos mais velhos. Vladilena era a caçula... e um belo enfeite nas fotos de família.

       Amava a vida de princesa que tinha. Adorava ter todos a mimando, a elogiando, dando tudo que ela pudesse querer apenas por capricho. Amava seu quarto grande, apenas seu, com seus brinquedos por todos os lados, nas prateleiras, no chão, sobre sua enorme cama de travesseiros e cobertores macios, seu armário cheios de roupas de várias cores, sua banheira de água quentinha todos os dias. Tudo o que precisava era o príncipe para fazer-lhe companhia... pois não achava que ia, algum dia, sair de sua bela casa. Ela soltava uma risadinha sempre que pensava nisso. Ainda era jovem demais para pensar em casar-se de verdade, então distraía-se com suas imagens de contos de fada por tardes e tardes a fio. Às vezes, sua mãe lia uma das histórias para ela antes de dormir, pois ainda não havia alcançado a idade para ir à escolinha para aprender a ler e escrever, e ela adorava. Caía no sono com um sorriso nos lábios, abraçada em um de seus bichos de pelúcia, e sua mãe a cobria para que ficasse acalentada por toda a noite.

       A parte do dia que mais gostava, no entanto, eram aqueles pequenos momentos em que a mãe se ocupava com hóspedes e ela era deixada com a babá. Era fácil escapar. Fácil demais. No primeiro momento de distração, Vladilena escapulia pela porta do quarto escorregando pelos degraus da escada e correndo direto para o quintal da enorme mansão onde morava. Gostava de sua vida de princesa, mas não de sua vida de boneca. Cansava-se de ser um objeto de exibição sem vontade própria, e sentia-se viva quando fazia o que queria e o que sabia contrariar a mãe. Tirava os enfeites dos cabelos, largando-os na escada; deixava os sapatos no caminho para correr melhor sem eles; e quando conseguia se livrar de uma cama dos elaborados vestidos, ainda melhor. Corria até os cães de guarda que sabia que não lhe fariam mal, e brincava com eles até que a capturassem novamente e a levassem para o banho, exausta e com um sorriso no rosto gracioso. Os cachos embaraçavam-se, mas ela sabia que logo iriam penteá-la e poderia novamente importar-se com um pouco de vaidade. A roupa seria lavada e consertada, todo o resto guardado em seu devido lugar, e ela se transformaria de volta na princesinha da mansão. E era essa duplicidade, essa possibilidade de poder sair do costume ou do esperado que a divertia.

       Havia conseguido brincar com seus cães por alguns bons minutos. Aproveitava a água quente da banheira e cantarolava baixinho uma das músicas que escutara em sua academia de dança, brincando com as bolhas na banheira enquanto a babá escovava-lhe os cabelos. Por mais que Vladilena sempre fugisse dela, havia se apegado à moça; ela era simples, a tratava bem, e sabia brincar e ler suas histórias de princesas de um jeito agradável. Não eram raras as ocasiões em que a pequena começava a conversar com ela sobre amor e príncipes, ouvindo atentamente aos seus conselhos.

       -Irisha, acha que vou me casar com um homem bonito?

       A babá lhe sorria, e balançava a cabeça afirmativamente.

       -Certamente. Seus pais irão querer que se case, e muitos homens se apaixonarão por você quando crescer.

       -Muitos?

       -Muitos. Vai ser uma bela mulher, e poderá escolher com quem vai se casar, Lena.

       -Se forem muitos, como vou achar meu príncipe no meio deles? Não vai ser difícil?

       -Não... vai saber quem ele é, com certeza. Vai ser aquele que a fizer se sentir feliz, estranha, ansiosa... vai saber.

       O sorriso de Vladilena abriu-se ainda mais, e ela soltou uma risadinha infantil, levando as mãos sobre a boca.

       -E já se sentiu assim, Irisha? Tem um príncipe? – Vladilena já lhe havia perguntado a mesma coisa antes, e a babá sempre desviava-se da resposta.

       -Isso é um segredo. – sorria ela, enxaguando os cabelos da pequena e embrulhando-a numa toalha. Vladilena sentia enorme curiosidade por tal segredo, mas também achava divertido que o segredo se mantivesse... secreto.

       -Quero crescer e conhecer meu príncipe. – Vladilena inocentemente, vestida em novas roupas limpas enquanto Irisha arrumava seus cabelos.

       -Quando crescer, vai querer ser jovem de novo... – riu a babá, amarrando a fita em seus perfeitos cachos dourados.

       -Não vou. Sei que vou ser feliz com ele.

       Irisha não podia evitar sorrir.

       -Espero que seja, Lenka. Realmente desejo que seja. – e com um beijo em sua testa, deixava-a voltar para seus livros e seu mundo dos sonhos que, para a pequena Vladilena, se tornaria realidade.


***



Doll information:
Headmold: Musedoll Mousa Polyhymnia / Volks SDGr Tae - Lovely Dress Ver.
Body Type: Musedoll Girl Body / Volks SDGr Body
Skin Type: Normal Skin
Make up por: Musedoll (default) / Kappa
Data de chegada: 05 de Junho de 2014





Links Contato Main Art Stories Gallery About Profiles